Home :: Novidades :: Novidades :: Case Internacionalização - SBPA Simuladores de Voo

Case Internacionalização - SBPA Simuladores de Voo

Em 2008, ao iniciar suas atividades, a SBPA utilizou a linha de crédito do programa Primeira Empresa Inovadora (PRIME) na contratação de consultoria e de assessoria para a capacitação em gestão dos próprios dirigentes da firma. Já nessa época, mesmo com uma equipe de apenas três pessoas, os primeiros passos da internacionalização foram esboçados no Business Model Canvas.

Inicialmente, a SBPA não planejava atuar no mercado norte-americano pela alta concentração de competidores lá presentes. Contudo, ao perceber e analisar que os simuladores de helicópteros fabricados ultrapassou as expectativas dos confeccionados pelo mercado doméstico norte-americano, surgiu maior interesse em intensificar e em direcionar o produto para esse mercado.

Outro aspecto importante para a expansão da SBPA para os EUA seria por esse mercado ser considerado a porta de entrada global para a comercialização com outros países do mundo. Tanto pelas suas exigências e especificações de mercado como pelas referências de comercialização muitas vezes exigidas por potenciais clientes.

Acúmulo de experiências e relacionamentos no exterior

O primeiro contato internacional da SBPA se deu através da importação do software padrão para seu sistema de programação de interface com hardware. Naquela ocasião, o contato já era conhecido através de relacionamentos de negócios com o mesmo fornecedor. Na abertura da empresa, bastou refazer o contato e criar uma nova forma de negociação, via SBPA.

“Outros fornecedores internacionais foram identificados antes da abertura e criação da SBPA, quando meu sócio, Luciano Zoppo, em 2007, participou de uma feira na Holanda. Lá foi possível identificar alguns possíveis fornecedores que estavam expondo. Além disso, a SBPA participa ativamente de feiras internacionais sempre que possui disponibilidade, já expondo nossos produtos em feiras na Alemanha, na França, na Holanda, nos EUA e nos Emirados Árabes”. (Adriano oliveira, Diretor Comercial da SBPA).

As participações internacionais em feiras e em eventos ocorreram junto ao Tecnosinos, como parte de um projeto de internacionalização. Em 2013, a SBPA participou de uma missão subsidiada na Califórnia (US) por meio da SOFTEX, na qual se promoveram rodadas de negócios com empresários de empresas americanas. Destarte, a SBPA, por meio do apoio da SOFTEX-APEX, mantém contato com um consultor comercial estabelecido no Vale do Silício, Apurva Chandra, também para auxiliar no fomento de novos negócios.

Foco no cliente americano

Muitas empresas quando pensam em internacionalização se preocupam logo com o que é menos importante, como copyright e patente. Porém, esse tipo de preocupação é pouco necessária, ao menos até que a empresa se faça grande e com visibilidade suficientes a ponto de os outros quererem copiá-la.

A SBPA, por sua vez, com seu mindset de startup, priorizou validar seu produto no mercado de destino. Para isso ela buscou parceria com aeroportos locais dispostos a colocar seu produto para ser testado e validado por potenciais clientes. Além disso, ao invés de se preocupar em logo contratar um escritório de advocacia ou contabilidade, empregou um pequeno estúdio de marketing nos EUA. Este último já está adaptando a marca da empresa de acordo com as especificidades e percepções culturais dos clientes americanos.

Acesso ao mercado EUA via Parceria

Em 2014, a empresa montou um show-room no aeroporto Executivo da cidade de Orlando, nos EUA, como iniciativa comercial para a divulgação do produto.

“Essa ação teve início devido a um contato de um cliente da SBPA no mercado doméstico que possui operações de aviação com os EUA, em virtude disso, foi feita essa parceria doméstica para a locação de um espaço e envio de um produto para os EUA. A empresa parceira ficou responsável por todas as ações comerciais de divulgação do produto no mercado americano em troca de um comissionamento”. (Adriano Oliveira, Diretor Comercial da SBPA).

Finalmente esse ano, somente após a demanda concreta de clientes americanos, a SBPA submeteu seus simuladores ao processo de licenciamento para venda no Federal Aviation Administration (FAA) - órgão fiscalizador da aviação dos EUA, similar à ANAC no Brasil. Tal preocupação com o licenciamento foi abordada somente após o desenvolvimento de parcerias e a validação do produto no mercado de destino, ou seja, depois do que realmente importa – o cliente.

Sobre a SBPA

A SBPA Simuladores de Voo é uma empresa de pequeno porte, incubada no Parque Tecnológico Tecnosinos. Fundada em 2008, iniciou suas atividades a partir da necessidade de atender ao mercado doméstico brasileiro com simuladores de fabricação nacional, visto que, até então, os equipamentos eram importados da Europa e EUA. A empresa fabrica simuladores de voo profissionais para o treinamento de pilotos, e os principais clientes conglobam aeroclubes e empresas aéreas, escolas de aviação e de treinamento para a formação profissional de pilotos de aviões e de helicópteros. Hoje, possui cerca de cinquenta e cinco simuladores já comercializados no mercado doméstico e está expandindo para o mercado externo via EUA.

O produto que é vendido pela SBPA possui uma estrutura, cockpit, em que efetivamente o piloto fica posicionado na aeronave, na prática. O simulador traz, de forma realista, aspectos da performance da aeronave Em se tratando da competitividade do setor, a SBPA lidera o mercado doméstico, tendo no Brasil apenas dois competidores que atuam com estratégias diferentes da empresa. Internacionalmente, a competição ocorre de forma mais representativa, em especial, o próprio mercado doméstico para com competidores europeus e norte-americanos.

* Sabrina Mendes, mestre em Estudos Internacionais pela Sorbonne Paris III e especialista em inteligência de mercado internacional do Projeto Setorial Softex/Apex-Brasil.

* Afonso Curcio Tomedi, mestre em Adm. de Empresas pela Unisinos e graduado em Adm. de Empresas pela Feevale.