Início :: Novidades :: Novidades :: Malha aérea: até 2016 Brasil será terceiro maior mercado de transporte de passageiros

Malha aérea: até 2016 Brasil será terceiro maior mercado de transporte de passageiros

O Brasil se tornará até 2016 o terceiro maior mercado de transporte de passageiros domésticos do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (710,2 milhões) e China (415 milhões). É o que prevê estudo realizado pela International Air Transport Association (IATA) este ano.

Dados do levantamento Movimento Operacional da Rede Infraero (2012) mostram que houve um crescimento de 25,2%, entre 2010 e 2012, no número passageiros domésticos. Os aeroportos que mais registraram movimento de passageiros foram o Galeão (43,32%), no Rio de Janeiro; Confins/Belo Horizonte, em Minas Gerais (43,01%); e Cuiabá (29,46%), em Mato Grosso.

Aeroportos de cidades como Recife (1,35%), Manaus (2,66%) e Natal (3,65%) tiveram os piores crescimentos em relação às outras cidades-sede e a media nacional (19,39%). Além disso, Belo Horizonte teve um declínio de 2,21% no número de passageiros domésticos entre 2010 e 2012.

O movimento de passageiros nas cidades-sede representa cerca de 75% do movimento total no Brasil. Em 2012, os aeroportos das capitais onde os jogos da Copa do Mundo FIFA 2014 ocorrerão receberam aproximadamente 18,2 milhões de passageiros internacionais, segundo a Infraero – Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (2012). O aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU) e Aeroporto Internacional do Galeão (GIG) foram responsáveis por 87% desse fluxo.

Baixe o boletim Turismo – Infraestrutura: malha aérea e confira sugestões de ações a serem tomadas para aproveitar as oportunidades geradas pelo fluxo de passageiros.

Perspectivas de curto prazo

1) A demanda para Copa das Confederações da FIFA 2013 será eminentemente doméstica e temporal, ou seja, com permanência exclusiva nas cidades-sede dos jogos.

2) Ampliação dos acordos bilaterais “Céus Abertos”, que permitem aumento das rotas e do número de frequências aéreas de e para qualquer cidade de ambos os países (ANAC, 2013).

3) Impactos diretos nos aeroportos de Brasília (BSB), Confins/Belo Horizonte (CNF), Manaus (MAO), Fortaleza (FOR), Recife (REC), Salvador (SSA) e Porto Alegre (POA), que passarão a receber mais voos internacionais por questões de desenvolvimento econômico regional; facilidades na distribuição em voos nacionais; e demanda de passageiros.

4) O Governo Federal deverá investir R$ 7,3 bilhões para ampliação da malha de aeroportos regionais – de imediato, impactará 270 aeroportos regionais –, a fim de que 96% da população brasileira esteja a menos de 100km de distância de um aeroporto apto para o recebimento de voos regulares.

- Região Norte: 67 aeroportos. Investimento: R$ 1,7 bilhão;
- Região Nordeste: 64 aeroportos. Investimento: R$ 2,1 bilhões;
- Região Centro-Oeste: 31 aeroportos. Investimento: R$ 924 milhões;
- Região Sudeste: 65 aeroportos. Investimento: R$ 1,6 bilhão;
- Região Sul: 43 aeroportos. Investimento: R$ 994 milhões.

5) Para a Copa do Mundo FIFA 2014, projeta-se a participação majoritariamente de turistas latino-americanos (México, Chile, Argentina, Colômbia, Uruguai e Paraguai), estadunidenses e canadenses, além dos europeus (portugueses, espanhóis, ingleses, franceses, alemães e italianos). Há a previsão de participação minoritária de asiáticos. A expectativa é de permanência média no Brasil de 10 a 15 dias, e com deslocamentos aéreos.

6) O fortalecimento da aviação aérea regional possibilitará às operadoras turísticas brasileiras a criação de novos produtos turísticos (novos destinos turísticos).

Fonte: SEBRAE